Posts

Benefícios de olhar o mar: não é só relaxante, tem o poder real de mudar o seu cérebro e saúde mental

Só é pra olhar... - Diário MS News

(Paulo Nobuo, VIX)

Não chega a ser segredo o fato de que ficar diante do mar, mesmo sem realizar mergulhos, ajuda a relaxar e experimentar sensação de bem-estar. Mas o que você talvez não saiba é que o fenômeno tem poder cientificamente comprovado de mudar o seu cérebro e saúde mental.

Através de um projeto chamado BlueHealth, a pesquisadora Lora Fleming e sua equipe, da Universidade de Exeter, Inglaterra, mostrou o impacto do mar e de suas ondas na mente humana. Confira detalhes das descobertas:

Ciência explica por que o mar ajuda a relaxar

De acordo com o estudo, os sons do mar ativam o córtex pré-frontal do cérebro, área associada a emoções e autorreflexões, fazendo com que a capacidade de bem-estar e autoconhecimento seja ampliada.

mar praia sol verao 0618 1400x800

As ondas dos oceanos, segundo a pesquisa, geram íons negativos que, absorvidos, promovem alterações moleculares no corpo, gerando sensação de paz e equilíbrio. Eles ainda são capazes de regular os níveis de serotonina, substância química produzida pelo organismo responsável pela melhora do humor e pela redução da ansiedade.

Foi constatado também que o cortisol, o hormônio do estresse, também tem seus níveis reduzidos no organismo com o barulho das ondas do mar, que tem padrões de volume e frequência harmônicos e relaxantes.

Além disso, o som gerado pelo mar pode nos remeter aos ruídos que ouvimos quando estamos na barriga de nossas mães, o que provocaria grande impacto emocional inconsciente no que diz respeito a proteção e segurança.

Até mesmo visualmente o mar é capaz de transmitir calma e sensação de segurança, uma vez que sua superfície plana transmite estabilidade, afastando a preocupação e o estresse causados pela imprevisibilidade do ambiente.

Análise do comportamento humano

O comportamento humano é resultado dos sentimentos, que nascem dos pensamentos. Os pensamentos são mensagens químicas que, às vezes, precisam de estímulos para acontecerem. Os pensamentos podem ser trazidos por memórias sensoriais e podem surgir involuntariamente.

A mente humana é como um arquivo repleto de representações do mundo em que vivemos. Os pensamentos também são criados graças à linguagem, à capacidade de comunicação e às experiências de vida. Estas representações se formam por Crenças e Valores (entre outros, mas fiquemos com estes dois elementos), que formam nossas “verdades”. O que eu acredito é verdade para mim, e meus Valores norteiam minhas decisões, escolhas e preferências.

Gravei uma aula mais detalhada sobre isso: https://youtu.be/tJkl6iwIpIM

Futebol (em menor escala pela pulverização), Religião e Política são temas sensíveis ao funcionamento explicado acima. O meu time é o melhor, o meu “deus” (ou santo, ou pastor, ou doutrina) é o/a único/a que “salva”, o meu partido ou político é o “certo”. São Crenças, são verdades. Quando confrontadas, lançamos mão de 3 “mecanismos de defesa”: distorcemos o que se opõe à nossa verdade, omitimos o que deporia contra nossas verdades ou generalizamos as virtudes das nossas verdades e os ‘defeitos’ do adversário ou de quem OUSAR questionar nossas verdades.

Biologicamente, temos 3 estratégias de sobrevivência: luta, fuga ou freeze. Ou seja, diante de uma ameaça (real ou imaginária) pode entrar em ação o mecanismo de luta – e partimos pra cima do “inimigo”; em alguns casos, dispara em nós o mecanismo de fuga (por vários motivos) e “damos no pé”. Ou, quando as duas estratégias acima não são possíveis, “frizamos”, paralizamos.

Na virtualândia, freeze e fuga perdem feio para a luta, a mais comum via teclado. Seguros pelo anonimato, distância ou ambos, “lutamos” contra quem ousa discordar de nossas verdades, de nossos ídolos, nossos mitos e lançamos mão de algumas estratégias: “provas” de que estamos certos (artigos, fotos, memes, vídeos, links – que concordam conosco, é claro); desqualificação de artigos, fotos, memes, vídeos, links contrários às nossas verdades; desqualificação de quem PENSA diferente; ironias; ofensas. Afinal, como alguém OUSA discordar de mimzinho, que estou sempre certo?😤

O estudo da Psicologia Social foi o que mais me motivou a fazer a graduação na área (mas Psicologia Social MESMO, como estudo de Comportamentos, não o que ensinam/praticam em terras tupiniquins). Já era Jornalista, tinha a prática dos efeitos da Comunicação, quis ir mais à fundo. Toda essa discussão que vemos hoje em dia me faz lembrar bastante do efeito Dunning-Kruger e de uma famosa frase de Umberto Eco sobre redes sociais. Concordo com ele em gênero e em número, mas não em grau.

Termino este textão te fazendo um convite à reflexão: perceba o quanto você defende apaixonadamente as suas verdades, e o quanto se deixa emocionar com as verdades alheias.

E chega! Bora praticar Análise do Comportamento virtual!


Posts diários no Instagram, segue lá: @castilhopalestrante 

Palestra DA FAVELA PARA O MUNDO

Mora em Fortaleza? Darei uma palestra em que contarei minha trajetória do fundo do poço para as maiores cidades do mundo.

Participe! Pode ser que eu te inspire a ser uma pessoa melhor.

Inscreva-se: https://www.sympla.com.br/da-favela-para-o-mundo—rogerio-castilho__797536

Curso de HIPNOSE CLÍNICA em Fortaleza

A Hipnose é reconhecida pelos Conselhos Federais de Psicologia, Medicina, Odontologia, Fisioterapia e Enfermagem. Trata-se de procedimento com respaldo científico, em prol da Qualidade de Vida. Curso em Fortaleza, dias 29 e 30 de junho.

Direcionado a Psicólogos, Médicos, Terapeutas, Dentistas, Hipnólogos, Enfermeiros, estudantes destas áreas e a todos que se interessam pelo assunto. Venha aprender do zero ou aperfeiçoar seus conhecimentos.

Curso de padrão e reconhecimento internacionais, com mais de 10.000 participantes em seis países: Brasil, Colômbia, Portugal, Alemanha, Suíça e Japão.
Saiba maiswww.cursodehipnosesp.com.br

PNL – Parte 1

O Prof. Rogério Castilho inicia uma série de vídeos nos quais explica as origens e a aplicabilidade prática da Programação Neurolinguística (PNL).
Conheça, aprenda, pratique. E colha resultados MUITO positivos na sua vida!

Técnicas de hipnose melhoram a performance de atletas

Jornal do Brasil

Muito usada por concurseiros, a hipnose é um dos principais fatores usados hoje para potencializar a concentração. Como não podia ser diferente, ela pode ser usada também para potencializar os resultados de atletas de alto rendimento que participam de competições que demandam requisitos supra-humanos como os Jogos Olímpicos. Rosane Ewald, atleta de tiro esportivo, é uma das adeptas da auto-hipnose.

“Toda noite faço a prova mentalmente e repito frasespositivas, que evitam que eu pense em coisas ruins durante a prova. Na hora, sento e respiro com calma, para abaixar a pressão. Aí pode cair o mundo do meu lado que eu não presto atenção. Se o juiz quer falar comigo, por exemplo, ele tem de me cutucar, senão eu não ouço ele falando do meu lado”, contou a atleta em entrevista para o UOL.

Vânia Calazans, psicóloga e hipnoterapeuta, destaca ainda a importância da técnica para estabelecer o equilíbrio emocional dos atletas:

“A hipnoterapia cognitiva ( hipnose associada a terapia cognitivo comportamental) além de melhorar o desempenho dos atletas, propicia o equilíbrio emocional tão necessário em provas competitivas, através de técnicas de gerenciamento de ansiedade, levando ao aumento da performance”, afirma a especialista.

Será essa uma arma para competir no seu próprio país sem sofrer com a pressão da torcida brasileira?

Australiano utiliza hipnose para acabar com a dor de clientes na hora de tatuar

POR FREDERICO PORTELA – O GLOBO

 Vai doer? Vai. Quem já passou pela mesa de um tatuador sabe que receber uma tatuagem dói – ao menos incomoda. No entanto, de acordo com o australiano Christopher Phoenix, a hora de enfrentar as agulhadas pode ser muito mais tranquila se combinada com uma sessão de hipnose.

Phoenix começou a estudar sobre métodos hipnóticos há cerca de 5 anos na tentativa de diminuir os efeitos da insônia. Mas, desde 2013, ele vem utilizando sua técnica em pessoas durante sessões de tatuagem. O procedimento promete reduzir o desconforto do contato das agulhas com a pele.

Phoenix já realizou mais de 30 procedimentos até então, e garante que funciona, principalmente em pessoas que já foram tatuadas antes:

— Antes da anestesia a hipnose era utilizada para aliviar a dor, é uma técnica legítima — diz ao ‘Daily Mail’ — Funciona melhor em pessoas que já tem tatuagens, pois assim elas podem comparar a diferença.

O australiano no momento está escrevendo um livro com o também hipnotizador Benjamin Ryan.

Assista a um vídeo (em inglês) com depoimentos de pessoas hipnotizadas por Ryan. Os clientes relatam sensação de anestesia:

Como a hipnose substituiu a anestesia geral em 37 operações ao cérebro

Uma equipe de cirurgiões franceses publicou um artigo científico que confirma que a hipnose pode substituir as anestesias gerais em cirurgias de extração de tumores. Na Net, já há vídeos de cirurgias que recorreram à hipnosedação.

E se as equipes de cirurgias passarem a contar com especialistas em hipnose? O conceito já começou a ser experimentado no Centro Hospitalar Universitário de Tours, França, durante cirurgias a doentes com tumores cerebrais. A equipa de cirurgia local usou técnicas de hipnose em 43 cirurgias realizadas em 37 pacientes – e apenas dois desses pacientes disseram que, se tiverem de ser operados outra vez, preferem a anestesia geral, refere um artigo publicado no jornal Neurosurgery.

As cirurgias ao cérebro costumam ser compostas por três momentos: um primeiro em que o doente está sob efeito da cirurgia geral e que prevê o corte de pele e do osso; um segundo em que o doente é acordado para que o médico possa fazer a intervenção e limitar eventuais danos colaterais durante a extração do tumor; e por fim, um terceiro momento em que o doente é colocado outra vez sob anestesia geral para que o médico possa “fechar” a abertura da cirurgia.

Através de uma técnica batizada de hipnosedação, os médicos substituíram a anestesia geral por sessões de hipnose que começam a ser preparadas algumas semanas antes da operação. A Ars Technica revela ainda que pouco antes da cirurgia, os doentes são instruídos para que imaginem um cenário alegre em que é possível manter a consciência afastada a alguns centímetros do corpo. Durante a cirurgia o hipnotizador também pode dar instruções em consonância com as intervenções que são feitas pelos médicos – e desse modo poderá poupar os doentes aos ruídos ou vibrações causadas pela aplicação dos diferentes instrumentos na massa encefálica.

A hipnosedação apenas substitui a anestesia geral. Os doentes continuam a tomar analgésicos e sedativos que evitam a sensação de dor durante a cirurgia. Apesar de não dispensar o recurso a fármacos na totalidade, esta nova técnica tem a vantagem de tornar as cirurgias mais rápidas (não é necessário esperar que os doentes despertem) e de facilitar o controlo dos sinais vitais do doente.

Ainda é cedo para augurar a ascensão da hipnosedação ao estatuto de especialidade clínica: os cirurgiões do hospital de Tours não apuraram resultados que possam ser comparados com os doentes que foram submetidos a anestesias gerais – e por isso é difícil saber quais as vantagens que o uso da hipnose pode ter em cenário de cirurgia. Além disso, há a questão da adaptação ao indivíduo: a hipnose exige longos períodos de preparação e treinos – e todas essas sessões têm em conta os gostos e preferências de cada doente.

No vídeo que se encontra integrado nesta página pode ver uma cirurgia que recorre a hipnosedação. Não aconselhável a pessoas mais suscetíveis.

https://www.youtube.com/watch?v=1r4NyFfkghA

(Fonte: http://exameinformatica.sapo.pt)