Posts

Coronavírus: 5 razões para encontrar esperança em meio à crise

A poluição diminuiu, peixes foram vistos nos canais de Veneza, e muitos atos de solidariedade ao redor mundo mostram que, mesmo durante a pandemia, há coisas positivas das quais podemos nos orgulhar. A pandemia do novo coronavírus trouxe tempos sombrios em todo o mundo. O número de infectados e mortos está aumentando. Cidades e países inteiros estão se isolando, e muitas pessoas estão sendo forçadas a ficar em casa.

No entanto, em meio a todas as notícias preocupantes, também há razões para ter esperança.

1. Menos poluição À medida que os países entraram em quarentena para combater a circulação do vírus, houve quedas significativas nos níveis de poluição. Tanto a China quanto o norte da Itália registraram grandes reduções no dióxido de nitrogênio, um forte poluente, em meio à menor atividade industrial e uso de carros. Em Nova York, pesquisadores também disseram à BBC que os primeiros resultados mostraram que o monóxido de carbono, principalmente oriundo de carros, havia sido quase 50% menor em comparação com o ano passado.

E, com as companhias aéreas cancelando voos em massa e milhões trabalhando em casa, espera-se que muitos outros países vejam esse tipo de redução.

2. Canais limpos Em um resultado semelhante, os moradores de Veneza notaram uma grande melhoria na qualidade da água dos famosos canais da cidade. As ruas do popular destino turístico no norte da Itália esvaziaram-se em meio ao surto, levando a uma queda drástica no tráfego nesses canais, o que permitiu a sedimentação de fragmentos. A água geralmente turva ficou tão clara que até peixes foram vistos.

3. Atos de bondade Se por um lado há relatos de pessoas que foram às compras e chegaram a brigar por rolos de papel higiênico, por outro lado também vimos que a pandemia estimulou atos de bondade em todo o mundo. Dois moradores de Nova York, por exemplo, reuniram 1,3 mil voluntários em 72 horas para entregar mantimentos e remédios a idosos e pessoas em situação de vulnerabilidade.

O Facebook disse que milhares de pessoas no Reino Unido se juntaram a grupos de apoio locais criados nesta crise, enquanto iniciativas semelhantes foram promovidas também no Canadá. Supermercados na Austrália criam uma “hora especial para idosos”, para que clientes mais velhos e portadores de deficiência tenham a chance de fazer as compras em paz. As pessoas também doaram dinheiro, compartilharam receitas e ideias de exercícios, enviaram mensagens para idosos que se autoisolaram e transformaram empresas em centros de distribuição de alimentos.

4. União Em meio ao isolamento, é fácil sentir-se desconectado de outras pessoas. Mas, como o vírus é um problema de todos, essa situação aproximou muitas comunidades ao redor do mundo. Na Itália, com quarentena em todo o país, as pessoas se juntam em suas varandas para produzir músicas que animam o ambiente. Um homem no sul da Espanha conduziu uma aula de ginástica a partir de uma laje no meio de um complexo de apartamentos. Os moradores acompanharam os exercícios de suas varandas.
Muitas pessoas aproveitaram a oportunidade para se reconectar com amigos e familiares por telefone ou vídeo, enquanto grupos de amigos organizaram sessões virtuais de festas por meio de aplicativos. O vírus também destacou a importância dos profissionais de saúde e de outras pessoas que trabalham em serviços essenciais. Milhares de pessoas foram às suas janelas e sacadas e janelas para aplaudir os médicos e enfermeiros que combatem o vírus, enquanto estudantes de Medicina em Londres se ofereceram para ajudar os profissionais de saúde nas tarefas domésticas e de cuidados com as crianças.

5. Explosão de criatividade Com milhões de pessoas isoladas, muitos estão aproveitando a oportunidade para estimular a criatividade. Os usuários de redes sociais compartilharam detalhes de seus novos hobbies, incluindo leitura, panificação, tricô e pintura. A Biblioteca Pública de Washington, nos Estados Unidos, está entre os lugares que hospedam um clube do livro virtual.

O famoso chef italiano Massimo Bottura lançou uma série do Instagram chamada Kitchen Quarantine e está ensinando receitas básicas para quem está em casa. No Brasil, professores, especialistas e instrutores tentam usar o Instagram para transmitir aulas e oferecer atividades. Um professor de arte no Estado americano do Tennessee tem transmitido aulas ao vivo para crianças que estão fora da escola, inspirando-as a serem criativas em casa. E enquanto muitos espaços públicos foram fechados, os fãs de arte podem aproveitar os passeios virtuais oferecidos pelas maiores galerias do mundo, observando as famosas pinturas do Louvre, em Paris, e as esculturas clássicas do museu do Vaticano.

O Sydney Observatory, da Austrália, ofereceu um passeio pelo céu noturno para pessoas presas em casa (acesse aqui: https://www.facebook.com/sydneyobservatory/videos/347914539458367/?vh=e ) Músicos famosos, incluindo o vocalista do Coldplay, Chris Martin, e o cantor Keith Urban também estão transmitindo shows ao vivo para combater o tédio durante o isolamento.

(com dados da BBC NEWS)


ESTE BLOG OCUPA-SE EM COMPARTILHAR NOTÍCIA POSITIVAS. VEJA AS OUTRAS!

 

 

Cientista prevê que pandemia deve acabar mais cedo do que se espera: “Vamos ficar bem”

Aqui no meu blog, TODOS OS DIAS posto notícias boas.

Coloque na sua agenda uma visita diária aqui.

A boa (ótima) de hoje:

Michael Levitt, ganhador do Nobel e biofísico da Universidade de Stanford, acredita que a pandemia de coronavírus pode acabar mais cedo do que nos dizem.

“A situação real não é tão terrível quanto parece”, ele disse ao The Los Angeles Times, acrescentando: “Nós vamos ficar bem”.

Levitt, que ganhou o Prêmio Nobel de Química em 2013 por desenvolver modelos complexos de sistemas químicos, analisou dados do COVID-19 de 78 países que relataram mais de 50 novos casos todos os dias. Em muitos deles, Levitt disse ao jornal, ele vê “sinais de recuperação”.

No início, o biofísico previu – com uma precisão impressionante – haveria cerca de 80.000 casos na China (onde o coronavírus apareceu pela primeira vez) e cerca de 3.250 mortes. Até a noite de segunda-feira, houve 81.496 casos no país comunista e 3.274 fatalidades.

Com tudo isso em mente, Levitt acredita que o número de novas infecções começará a diminuir mais rapidamente do que muitos prognósticos estão sugerindo.

Alguns epidemiologistas alertam que os EUA podem estar em vários níveis de bloqueio por meses ou até anos, mas Levitt disse que os dados que ele está vendo não suportam uma situação tão desesperadora, principalmente em lugares que implementaram medidas depressivas como distanciar.

“O que precisamos é controlar o pânico”, explicou.

As pessoas métricas precisam estar atentas, disse ele ao Times, não é o número total de casos. Em vez disso, o foco precisa estar no número de novos casos, porque isso revelará a taxa real de propagação.

“Os números ainda são barulhentos, mas há sinais claros de crescimento lento”, disse Levitt, depois observando que o vírus só pode crescer “exponencialmente” quando não é detectado e não existem medidas para impedir sua propagação.

Embora ele concorde com as medidas adotadas pelo governo local, estadual e federal para diminuir a propagação do vírus, Levitt disse que também está preocupado com o pânico causado pelo intenso foco da mídia no número total de casos. como as celebridades adoecendo com a doença.

O Times observou que a gripe sazonal infectou cerca de 36 milhões de americanos em pouco mais de seis meses e matou cerca de 22.000 pessoas. Algo a ter em mente, é claro, é o fato de termos anticorpos naturais contra a gripe e a infraestrutura médica antecipar a doença e estar preparada para lidar com ela. Nenhum desses fatores vale para o COVID-19.

Além disso, Levitt está preocupado com as implicações de saúde de desligar a economia por um período indeterminado de tempo.

Ele teme que as medidas de saúde pública que fecharam grandes áreas da economia possam causar sua própria catástrofe, já que a perda de empregos leva à pobreza e à desesperança. Repetidas vezes, os pesquisadores viram que as taxas de suicídio aumentam quando a economia cai.

Embora a taxa de mortalidade pelo COVID-19 seja um pouco mais alta que a da gripe, Levitt disse que “este não é o fim do mundo”.


NOS POSTS ANTERIORES, MAIS BOAS NOTÍCIAS!

VEJA LÁ!