c

Vamos falar de Comportamento de Torcedores

Nelson Rodrigues (dramaturgo) dizia: “em futebol, o pior cego é o que só vê a bola”; “não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos” e, analisando essas frases podemos salientar os aspectos subjetivos que envolvem a violência. Apesar de ser um esporte com regras, princípios e normas, o torcedor vive o evento de forma exacerbada, movida pelo prazer e busca justificar sua conduta antissocial apoiados na história de rivalidade entre as torcidas. Alguns autores caracterizam esse fenômeno de “lazer desviante” que é caracterizado por condutas que ferem os princípios e normas morais de uma sociedade em que o lazer é vivido de uma forma intensa. Para entender esse tipo de violência é preciso compreender o contexto social de uma forma mais ampla, pois o futebol pode ser visto como uma expressão de representações e dramatizações da sociedade brasileira, ou seja, a partir do futebol a sociedade pode ser descoberta e também expressa suas características.

Para o torcedor, o futebol é um momento de permissividade, dos contatos verbais e corporais, da subversão dos espaços e isso combinado a outros fatores como: má organização esportiva, declarações vinculadas na mídia e questões físicas do estádio, são capazes de provocar manifestações agressivas e violentas por parte dos torcedores. Podemos arriscar dizer que o futebol pode ser visto como uma espécie de drama social com valor simbólico para os torcedores, pois pode representar conflitos que seriam menos aparentes nas relações sociais como trabalho e família.

Segundo a TCC – Terapia Cognitivo-Comportamental, “um conjunto de comportamentos identificáveis, aprendidos, empregados pelos indivíduos nas situações interpessoais para obter ou manter o reforço de seu ambiente (Kelly, 1982)” é considerado uma prática de habilidade social. O que eu quero dizer é que alguns indivíduos, ao se comportarem dentro de uma torcida, podem estar buscando aprovação social ou ainda buscando fazer parte do grupo de forma integrada. Seus pensamentos giram em torno do coletivo, como por exemplo, “só serei aceito se…”. Com isso, o comportamento se aproxima dos demais.

Para Trower, Bryant e Argyle (1978), analisam que “uma pessoa pode ser considerada socialmente inadequada se for incapaz de afetar o comportamento e os sentimentos do grupo”. Neste caso existe o compromisso do organizador da torcida em incitar e persuadir o grupo ao que os preceitos e normas dela pregam, sabendo-se que além da diversão estão preparados para a batalha, se preciso for. Falo em batalha pois em disputas sempre há duas torcidas envolvidas e dispostas a brigar pelo seu conceito do que é certo ou errado. Esse tipo de situação é considerada como situação psicologicamente “forte” que são aquelas com sinais claros que guiam esses comportamentos, ou seja, altamente estruturadas, com regras e roteiros que limitam a maior parte do comportamento que se desenvolve nelas.

Em casos de violência extrema em que se cometem crimes graves, a TCC diagnostica como carência de habilidades sociais. Alegando que o comportamento antissocial do criminoso deve-se a uma aprendizagem social ausente ou inadequada.

Indivíduos com características externalizantes, ou seja, que se expressam predominantemente em relação a outras pessoas, podem ter comportamentos antissociais, com baixo auto controle e percepção equivocada dos fatos e normas sociais. Pesquisas mostram que algumas condições familiares e sociais como pobreza, abuso, negligência, drogadição e alcoolismo dos pais estão entre os fatores de comportamentos antissociais.

Líderes de grupos que incitam a violência, vêm em sua maioria, de um repertório social empobrecido em que a falta de habilidades sociais contribui para a ausência das relações humanas harmoniosas.

Rosana Cibok – Psicóloga

CRP 06/142653

COMENTÁRIOS