a

Vamos falar de angústia

Vamos falar de angústia.

Eu tenho o olhar voltado para a Terapia Cognitivo-Comportamental e para a Programação Neurolinguística, portanto quando falo em sentimentos logo remeto e os atribuo aos pensamentos: pensamento gera sentimento que gera comportamento. Como posso sentir-me angustiado sem ter pensado em algo que tenha gerado esse sentimento? Todas as vezes que você tiver uma sensação ou um sentimento que não esteja te agradando, e aqui estamos falando especificamente da angústia, repare no que está passando por sua cabeça ou o que você estava pensando no momento em que vivenciou o sentimento desagradável. Os seus pensamentos determinam os seus comportamentos. A angústia pode causar sensação de sufocamento, peito apertado, ansiedade, insegurança, falta de humor, ressentimentos, por vezes aliados a alguma dor. E com estas sensações você pode se comportar disfuncionalmente. Como por exemplo se tornar agressivo, apático, ter sono constante, comer demasiadamente ou até fazer uso de fármacos por conta de dores que você mesmo cria. A angústia também pode ser um sintoma da depressão, que nada mais é do que uma distorção na tríade cognitiva, ou seja, uma distorção na maneira como você se vê, vê o mundo e vê o futuro. Começa tendo uma visão negativa de si, interpretando suas experiências negativamente, gerando uma visão de futuro também negativa, desta forma causando todas as sensações de desconforto trazidas pela maneira como você pensa. A angústia pode aparecer frente a um acontecimento traumático e através de lembranças que causem feridas emocionais. Por isso, insisto em que você mude seus pensamentos.

Falar parece fácil? E é. Vou dar uma dica: construa uma placa com a palavra PARE, e todas às vezes que tiver uma sensação que não te agrade, levante esta placa na sua frente. Caso não tenha a placa fisicamente, construa uma imagem mental com ela e a levante do mesmo jeito. Isso tirará você do pensamento que estava causando a sensação e te levará a pensar em outra coisa. Pode parecer que esteja apenas adiando a resolução do problema, mas ao contrário disso, te tirará do foco dele, pois quando estamos imersos não conseguimos enxergar saídas viáveis.

Pense melhor sobre isso.

Por: Rosana Cibok

Psicóloga e Master Practitioner em PNL

COMENTÁRIOS