Hipnose-que-cura

Hipnose é tratamento de baixo custo a vítimas de queimaduras na Suíça

A hipnose vem sendo cada vez mais usada nos tratamentos médicos, e hospitais da região francesa da Suíça lideram o processo. Na unidade de queimaduras graves do CHUV de Lausanne, ela é usada em base cotidiana. Um estudo demonstrou que a hipnose reduz o tempo que os pacientes passam em terapia intensiva e economiza 19 mil francos suíços por paciente, e o hospital agora deseja expandir essa prática a outros departamentos.

“Se a hipnose fosse um medicamento, já estaria sendo usada em todos os hospitais, mas, porque é uma abordagem, precisa superar barreiras culturais”, diz Pierre-Yves Rodondi, médico do Instituto Universitário de Medicina Social e Preventiva, no CHUV. “Estamos avaliando em que áreas usar a hipnose, e existe muita demanda por isso no hospital”, explica o diretor do centro de medicina suplementar e complementar.

No CHUV, a hipnose não desperta imagens de pessoas reduzidas à condição de zumbis, manipuladas por mágicos de jaleco branco. Nada disso. O pragmatismo superou todos os temores. “Há estudos científicos, infelizmente ignorados por grande parte da comunidade médica, que demonstram a efetividade da hipnose na administração da dor; é uma ferramenta que deveria ser integrada ao tratamento. Funciona para quase todos, mesmo para os céticos”, explica Rodondi.

De fato, de acordo com um estudo científico executado pelo Hospital da Universidade de Lausanne (CHUV), e publicado pela revista científica “Burns”, a hipnose ajuda os pacientes com queimaduras severas a se recuperarem mais rápido e reduz o custo da terapia; reduz a ansiedade, o uso de medicamentos, a necessidade geral de anestésicos e, em média, diminui em cinco dias a passagem dos pacientes pela unidade de terapia intensiva.

Com a economia média de 19 mil francos suíços por paciente, bastaria tratar por hipnose nove vítimas de queimadura ao ano para cobrir o custo de um especialista nesse campo.

TRATAMENTO DE BAIXO CUSTO PARA QUEIMADURAS

O estudo –conduzido com 23 pacientes vítimas de queimaduras severas tratados por hipnose e um grupo de controle de pacientes tratados tradicionalmente– gerou resultados muito positivos. Para o grupo tratado por hipnose, a dor e a ansiedade diminuíram significativamente; o número de sessões psiquiátricas foi reduzido e as doses de opiáceos e sedativos administrados para tratar de intervenções médicas ou cirúrgicas muito dolorosas também foi reduzido.

Os ferimentos se curam mais rápido, como comprovado pela redução no número de enxertos de pele aplicados ao grupo dos “hipnotizados”. “Isso pode se relacionar a um nível de estresse mais baixo, mas essa é apenas a nossa hipótese”, disse Maryse Davadant, enfermeira na unidade de terapia intensiva e pioneira no uso de hipnose pelo CHUV.

“Em média, começamos a primeira sessão alguns dias depois da internação do paciente, quando ele já não está entubado e incapaz de se concentrar. Ensinamos ao paciente como se hipnotizar; essa é uma ferramenta que ele sempre terá, e os efeitos analgésicos perduram mesmo depois da terapia. Temos dois enfermeiros na unidade de terapia intensiva que só fazem hipnose”, explica Davadant.

Quando perguntada sobre as reações dos pacientes, Davadant disse que “oferecemos essa opção a todos os pacientes; alguns já a conhecem, e se interessam. Outros são mais céticos. Mas quase todo mundo escolhe experimentar, e termina satisfeito”. No entanto, nem todos os pacientes de queimaduras podem ser tratados por hipnose, especialmente no caso de pacientes mais idosos, confusos ou sob a influência de drogas.

FUNCIONA COMO MORFINA NO CÉREBRO

Já que os medicamentos estão se tornando cada vez mais tecnológicos, é difícil criar uma aliança terapêutica cujo foco seja o paciente. “A hipnose torna a medicina mais humana. Além disso, as equipes de gestão de hospitais compreenderam os benefícios da hipnose: ela acelera a cura, aumenta a satisfação do paciente, encurta as internações e economiza dinheiro”, diz o psiquiatra Eric Bonvin, especialista em hipnose e professor do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Lausanne.

Ele explica o que acontece no cérebro: “A hipnose ativa as áreas da imaginação. Tudo é visto como se fosse verdade. A imaginação é um aliado poderoso contra o medo e contra a dor. A hipnose tem efeito semelhante ao da morfina, agindo sobre as áreas da percepção de dor e alterando essa percepção, ou mesmo eliminando-a de todo. Há efeitos de ilusão: para uma criança que tem medo de injeções, desenhamos um elefante em sua pele e dizemos que a agulha está picando o animal, e que a criança brincando com aquela imagem nada sentirá; a imaginação desativa o sinal de alerta de dor”. O estudo do processo ajuda a compreender o potencial da hipnose: “Ao alterar o foco, você pode esquecer a dor. Como a vítima de um acidente que ajuda os demais envolvidos, sem sentir a própria dor”, ele diz.

“Quanto mais dor eu sinto, mais medo e ansiedade tenho, o que por sua vez intensifica a dor. É um círculo vicioso que a medicação não consegue romper, enquanto a hipnose é uma boa solução”, conclui Bonvin, também diretor do Hospital Valais, em Sion. “Estamos introduzindo a hipnose”.

A prova de que a hipnose terá papel cada vez mais central na terapia pode ser encontrada no Instituto de Hipnose da Romandia [Suíça Francesa], que treina 40 novos especialistas a cada ano: médicos, psicólogos, dentistas, enfermeiros, parteiros etc. Esses especialistas trabalham em seus próprios campos sem treinamento adicional e são reconhecidos pela Associação Médica Suíça (FMH).